Brasil deixará grupo de trabalho sobre educação do Mercosul, diz ministro

Secretário de Educação Superior do MEC, Arnaldo Barbosa, ao lado do ministro da Educação, Abraham Weintraub em coletiva de imprensa na sexta-feira (29) — Foto: Reprodução/Facebook/MEC

 

O Brasil deixará de integrar o grupo de trabalho que discute educação no Mercosul. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), a decisão começa a valer na sexta-feira (29) e o país passará a realizar reuniões bilaterais para tratar do tema com Argentina, Paraguai e Uruguai.

“Não há resultados concretos para mostrar”, disse o ministro da Educação Abraham Weintraub. “Depois de 28 anos que o Brasil está participando na área educacional do Mercosul, a decisão do governo é começar a discutir apenas relacionamentos bilaterais.”

De acordo com o ministro, representantes do Paraguai e da Argentina foram notificados da decisão na manhã de sexta e receberam a notícia “sem problema nenhum” porque as relações bilaterais serão mantidas.

Falta de representantes

Weintraub disse que na última reunião do grupo, apenas Brasil e Paraguai enviaram seus ministros da Educação. A Argentina mandou um representante da embaixada no Brasil e o Uruguai não enviou representantes. “Era um grupo que já não funcionava mais, mas tinha custos”, disse.

Questionado sobre os valores que serão economizados com o fim dessas reuniões, o ministro disse que o ministério “está levantando”.

“Aparentemente, é um volume significativo nesses 28 anos de Mercosul. Estamos falando de uma coisa com R$ 30 milhões, mas é um número oficioso, não oficial” – Abraham Weintraub

Weintraub argumentou, ainda, que as reuniões bilaterais têm custos, mas “têm começo, meio e fim e um objetivo claro”. A saída do Brasil do setor educacional do Mercosul, porém, não significa a saída do país do bloco como um todo.

Recursos para energia solar

O ministro da Educação convocou coletiva de imprensa nesta sexta-feira para anunciar a liberação de R$ 125 milhões para as universidades federais gastarem, necessariamente, com energia solar e em conclusão de obras.

Segundo o ministro, o dinheiro virá da Secretaria de Educação Superior (Sesu). “Estamos remanejando, estamos mexendo, buscando eficiência”, afirmou.

As universidades precisarão gastar, pelo menos, 65% dos valores em placas fotovoltaicas. O restante poderá ser usado para a conclusão de obras paradas ou em andamento.

Grande parte das instituições receberá entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões, mas os critérios de distribuição variam de acordo com o menor custo por aluno e critérios de desempenho – portanto, algumas podem receber mais, outras menos.

A estimativa do MEC é que, em quatro anos, haja uma economia nas contas de energia elétrica de R$ 25,5 milhões ao ano – uma média de R$ 405 mil por universidade.

G1

Adilson Amorim

Sou Adilson Amorim, Fotógrafo profissional há mais 30 anos, sempre tive o sonho de ter meu próprio jornal. O Tempo foi passando e com o avanço da tecnologia foram surgindo blogs e sites de notícias e o sonho prevaleceu no coração até hoje, e pela a graça e a vontade de Deus, surgiu o Projeto Didi Notícias, um site que irá abordar as principais notícias da grande região de São Desidério e Oeste da Bahia, com dedicação e responsabilidade. É com grande privilégio e entusiasmo que estaremos oferecendo o melhor site de notícias e entretenimento à você que gosta de estar sempre bem informado sobre as notícias de nossa região. Conecte-se conosco!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com